Seven Habits for Effective Behaviour Management:

Disciplina é um dos grandes problemas dentro de sala de aula. Leia a seguir sobre 7 efetivos hábitos para gerenciar melhor a disciplina.
dscn04171.jpg
 
1 – Meet and greet at the door – the best early intervention in behaviour management is at the door.
 
2 – Catch students doing the right thing – nobody wants insincere praise and it can be easy to catch children doing the wrong thing so develop the ability to catch those more challenging students doing the right thing.
 
3 – Deal with poor behaviour privately and calmly – avoid as much as possible the public humiliation or public sanctioning of students
 
4 – Relentlessly build mutual trust – the relationship you have with students sustains you and carries on into the future.
 
5 – Directly teach the behaviours and learning attitudes you want to see – have a plan so that you know the behaviours you are trying to teach and the students know what behaviours they are trying to learn.
 
6 – Talk about values – never talk about behaviours in isolation – always relate them back to the culture you are trying to build and the values and truths you have as a class and as a teacher.
 
7 – Follow up follow up follow up – teachers who follow up are the ones the children decide to behave differently for. Write it down if you have a difficult incident with a student, then you have the control back – you can decide when and how to follow up.
 
© Pivotal Education

5 maneiras de identificar se uma escola é realmente bilíngue

  

Atualmente, na área da Educação, a expressão educação bilíngue está em alta e, infelizmente, muitas escolas utilizam o termo inadequadamente por desconhecimento ou tática de marketing, afinal, qual é o pai que não gostaria de ter um filho fluente em dois idiomas?

Entretanto, não basta uma escola intitular-se bilíngue para, de fato, ser. Como atualmente não existe uma legislação específica que determine se uma escola é bilíngue, é importante que pais estejam cientes sobre como identificar se a escola se enquadra na definição.

1- Não basta escolas aumentarem a carga horária.
O ensino bilíngue consiste no ensino EM um segundo idioma e não DE um idioma, em diferentes graus de imersão. Ou seja, não basta a escola ter aulas de inglês todos os dias da semana para considerar-se bilíngue.

2- Não há tradução em educação bilíngue.
Quem faz tradução são cursos de idioma ou aulas de idiomas dentro de uma escola tradicional. Se seu filho demonstrar sempre que aprendeu que apple é maçã, que car é carro e que tree é árvore, pode tratar-se de um sinal de alerta. Em uma aula bilíngue, mesmo que as crianças que estejam em processo inicial de aprendizado perguntem à professora ou professor “mas o que é apple?”, o professor nunca responderá “maçã”. Ele poderá mostrar uma maçã e dizer: “This is an apple!” ou então “Apple is a delicious red fruit every child loves!”

3- A formação dos professores é diferenciada.
Outros fatores que os pais devem analisar são o currículo e a experiência dos professores. Em qualquer profissão isso é importante, mas escolas bilíngues sérias, além de recrutarem profissionais capacitados e experientes, investem na carreira de seus funcionários, com cursos de especialização, palestras e participação em convenções para atualização e aprimoramento no nível do ensino.
Professores bilíngues geralmente têm vivência no exterior, podem ou não ser nativos, mas são profissionais atualizados, que possuem não somente fluência no idioma, mas amplo conhecimento nas características sócio-culturais do país origem do idioma, conforme já mencionei aqui.

4- Não somente aulas são em Inglês, mas o ambiente como um todo.
Os melhores resultados na educação bilíngue são vistos quando instituições transformam a escola em um ambiente bilíngue, ou seja, não importa qual o nível de imersão utilizado, perguntas e respostas entre alunos e professores são feitas em inglês.
Inclusive quando professores conversam com pais, geralmente eles perguntam se os pais falam inglês e, caso a resposta seja positiva, as conversas também são em inglês.

Apesar de não ser uma regra, quando a própria equipe conversa em inglês entre si – e não somente na frente dos alunos – o processo de aprendizado é melhorado e o nível da qualidade do inglês dos professores aumenta. A regra é simples: quanto maior a utilização do idioma, melhor será sua qualidade.

5- Escolas são transparentes e não escondem seus métodos.
Geralmente as escolas genuinamente bilíngues oferecem um tour aos pais para averiguarem os itens citados acima, desta forma, em uma visita pela instituição é possível ver como as crianças conversam entre si, como funcionários conversam entre si e se os professores utilizam um nível mínimo de imersão.
Caso esta iniciativa não parta da escola, cabe aos pais solicitarem esta visita de observação e também buscar referências externas, como avaliações na Internet, opiniões de outros pais que tenham alunos na escola e conversas com crianças que estudem há alguns anos na escola. Crianças com um ou dois anos de estudo em escola bilíngue, mesmo que tenham apenas três anos de idade, já despertam espanto em adultos pela fluência com que falam neste segundo idioma.
Afinal, nenhuma propaganda fala mais alto que uma criança bilíngue.

Texto adaptado da Autora: Letícia Pimentel

  

How to Write a Lesson Plan: 5 Secrets of Writing Great Lesson Plans

How To Proceed

  1. 1

    Warm up
    A warm up activity can be used in a number of ways. It can get your students thinking about material that will be used later on in the class, review material from a previous class, or simply get your students thinking in English, moving around, or awake. This activity should only take up a small portion of your lesson, perhaps five minutes.

  2. 2

    Introduction
    A good introduction will create a need for students to learn the material you are going to present and get them interested in the day’s topic. This is the part of the lesson where the teacher does the most talking so try to get students involved and use choral repetition to keep students talking about half the time. Depending on how complex the topic is or how much new vocabulary there is, the introduction could take some time but in most cases, about ten minutes should be sufficient.

  3. 3

    Practice
    The practice activity would normally be about ten minutes and have students working individually or in pairs. Practicing model dialogues, completing worksheets, and doing short activities would be appropriate. This may take about ten minutes including going over the answers or having some demonstrations.

  4. 4

    Production
    In the production activity students should have to produce material on their own. Rather than reading sentences, perhaps they have to answer questions or make their own sentences. Longer activities such as board games, which can be played in groups, or activities for the whole class, where students work in teams, would be best. The remaining class time can be devoted to this activity.

  5. 5

    Review
    It is a good idea to plan another five minute activity that can be done at the end of class as a review or used as the warm up in the following lesson. If the production activity does not take up the remaining portion of the class period, you have a backup plan.

Read the full article at http://busyteacher.org/3753-how-to-write-a-lesson-plan-5-secrets.html

What to consider when planning courses

This is part of a lesson from British Council which I am attending at the moment. A great course for ELT teachers.

It’s important for any to have an overview and scheme of work for the whole course. Otherwise, you’ll end up working from day to day, and it’ll be hard to see whether you’re covering everything that needs to be covered.

What do you need to consider when planning your course? First of all, there are lots of ‘external’ factors. You’ll definitely need to think about the syllabus and the end of course exam, if there is one. You may have a textbook which you have to use. Last but not least, there are the learners; you need to consider their needs, interests and motivations.

There will certainly need to be variety, both in terms of topic and in terms of language skills. For example, across the course is there enough listening, writing, vocabulary input overall? Are the lessons too heavily biased towards grammar? In short, you have to think carefully about these two questions:

  1. What will I teach?
  2. In what order will I teach these items?

You might then go on to include the resources and materials you will use, for example coursebook pages or additional materials.

Now we’d like to hear your ideas on course planning:

  • What do you need to consider when planning your courses?
  • How do you approach course planning?

Watch the full article at

https://www.futurelearn.com/courses/english-language-teaching/1/steps/45544

Ways to build rapport between teachers and learners

How to develop a nice atmosphere in class and teach with success. 

Choose your attitude

You need to be friendly but professional. Remember that your students don’t want you as a friend, but want to respect you as a teacher. Show them from the outset that you expect them to work hard in your class, but that it can be enjoyable.

Use names

Yes, it can be difficult with a large class to learn names quickly, but using your learners’ names shows that you see them as individuals and creates bonds.

Listen

Really listen to the messages in what your learners say, not just the English that they produce. Try to avoid unnecessary ‘echoing’, or simply repeating what learners say and be aware of the amount of time you spend talking in a class.

Avoid over-correcting

Teachers who correct learners every time they speak run the risk of damaging learner confidence and breaking down rapport. Of course, learners need correcting at times, and when this is done supportively it can increase trust between learner and teacher.

Stand tall

Work on your voice and body language so that you appear confident, even if you really don’t feel it. Your voice needs to be loud and clear. Stand straight in front of the class, and don’t hide behind a desk.

https://www.futurelearn.com/courses/english-language-teaching/1/steps/40463

Christmas Ornaments

Já está tudo pronto para a criançada confeccionar os enfeites da árvore de Natal.
A massa já foi feita, modelada e assada.
Agora só falta decorar com tinta, glitter e muita imaginação e alegria.!
href=”https://paulalyra.files.wordpress.com/2014/12/img_0811.jpg”>IMG_0811.JPG

IMG_0812-0.JPG

In English
Everything is ready for the children to make Christmas tree ornaments.
The dough has already been made, shaped and baked.
Now we need to decorate with paint, glitter and lots of imagination and joy.

Dez Mandamentos para Motivar o Aprendizado de Línguas

Segue boa leitura para profissionais que trabalham com o ensino de idioma.

O restante da matéria pode ser encontrado no link abaixo.
1 Criar um exemplo pessoal com o seu próprio comportamento
2- Desenvolver um bom relacionamento com os alunos
3- Aumentar auto-confiança linguística dos alunos
4- Preparar as aulas interessante
5- Promover a autonomia do aluno
6- Personalizar o processo de ensino
7- Aumentar o direcionamento de metas dos alunos
8- Familiarizar os alunos sobre a cultura do idioma
9- Criar um ambiente descontraído e agradável na sala de aula
10- Apresentar as tarefas de forma adequada

Anuncio Paula Lyra ELT School

In English

Good article for professionals working with the language of instruction.

The rest of it can be found on the link below.

‘Ten commandments for motivating language learners’:
1 Set a personal example with your own behaviour
2- Develop a good relationship with the learners
3- Increase the learners’ linguistic self-confidence
4- Make the language classes interesting
5- Promote learner autonomy
6- Personalise the learning process
7- Increase the learners’ goal-orientedness
8- Familiarize learners with the target culture
9- Create a pleasant relaxed atmosphere in the classroom
10- Present the tasks properly

http://oupeltglobalblog.com/2011/05/06/10-commandments-for-motivating-language-learners/

Halloween Celebration

Our Party was spooktacular!
We had a lot of fun with the movie, the activities, the costumes and the treats.
It was a great time that we share with our classmates!Halloween 1IMG_0695-0IMG_0451 Halloween 3

 

A nossa festa foi espetacular!
Nós tivemos um monte de diversão com o filme, as atividades, as fantasias e as guloseimas.
Foi um grande momento que compartilhamos com nossos colegas.

Como Smart Phones podem ajudar nas aulas de Inglês?

Smart Phones are here to stay. They can help students and teachers to create tools and new strategies for the classes

Here are ten tips from Kenneth Beare on how to use them to help improve English Studies.

dscn04171.jpg

1. Use smart phones for vocabulary exercises with Google image search. 

A picture is worth a thousand words. I like to use my smart phone, or have students use their smart phone to look up specific nouns on Google images or another search engine. You’ve all seen how a visual dictionary can greatly improve vocabulary retention. With smart phones, we have visual dictionaries on steroids.

2. Use smart phones for translation, but only at a specific time.

I try to encourage students to read using three phases. 1) Read for gist – no stopping! 2)Read for context – How can the words surrounding unknown words help with understanding? 3) Read for precision – explore new vocabulary using a smart phone or dictionary. Only in the third phase do I allow smart phone use. Students are pleased because they can look up words. However, they’re developing good reading skills by not immediately translating every word they do not understand.

3. Use smart phones for communicative activities using apps.

We all communicate with our smart phones in different ways depending on different apps. In other words, texting with a messaging app is bound to be different than writing an email on your computer. Take advantage of this and promote activities that are specific to a given context. One example might be to have students text each other to complete a given task.

 

4. Use smart phones for help with pronunciation.

This is one of my favorite uses of smart phones in class. Model pronunciation for them. For example, focus on suggestions. Ask students to open a recording app. Read five different ways to make a suggestion aloud. Pause between each suggestion. Have students go home and practice mimicking your pronunciation in the pause between each suggestion. There are many, many variations on this theme. 

Another great use for pronunciation is to have students change the language to English and try to dictate an email. They’ll have to work really hard at word level pronunciation in order to get the desired results.

5. Use smart phones instead of a thesaurus.

Have students search on the phrase “words like …” and a host of online offerings will appear. Encourage students to use their smart phones during writing class in this manner while focusing on developing a wider range of vocabulary. For example, take a simple sentence such as “The people spoke about politics.” Ask students to come up with a number of versions using their smart phones to find substitutes for the verb “speak.”

6. Use smart phones to play games.

Yes, yes, I know. This is something we shouldn’t encourage in class. However, you might encourage students to write down phrases they experience while playing games to bring into class to discuss in more detail. There are also a number of word games such as Scrabble or word search puzzles that are actually instructive as well as fun. You can make room for this in your class as a “reward” for completing a task, just make sure to tie it to some sort of report back to the class.

7. Encourage students to use smart phones to keep track of vocabulary.

There are a wide variety of MindMapping apps available, as well as a myriad of flash card apps. You can even create your own flash cards and have students download your set of cards to practice in class. 

8. Use smart phones for writing practice.

Have students write emails to each other in order to complete a specific task. Change up the tasks to practice different types of register. For example, one student might write a product inquiry with another student replying to the inquiry with a follow-up email. This is nothing new. However, just using their smart phones can help motivate the students to complete the task.

9. Use smart phones to create a narration.

This is a variation on writing emails. Have students choose photos they have taken and write a short story describing the photos they have chosen. I find that by making in personal in this manner, students engage more deeply with the task.

10. Use smart phones to keep a journal.

One more writing exercise for the smart phone. Have students keep a journal and share it with the class. Students can take photos, write descriptions in English, as well as describe their day.

Source: http://esl.about.com/od/modernteachingtechniques/fl/Using-a-Smart-Phone-to-Teach-English.htm?nl=1

 

Em Português

Telefones inteligentes ou Smart Phones estão aqui para ficar. Eles podem ajudar os alunos e professores a criar ferramentas e novas estratégias para as classes.

  Aqui estão dez dicas de Kenneth Beare de como usá-las para ajudar a melhorar os estudos de inglês.

1. Use Smart Phones para exercícios de vocabulário com a pesquisa de imagens do Google.

Uma imagem vale mais que mil palavras. Eu gosto de usar o meu telefone inteligente, ou que os alunos usam seu telefone inteligente para procurar nomes específicos em imagens do Google ou outro motor de busca. Vocês todos já vimos como um dicionário visual pode melhorar muito a retenção de vocabulário. Com os telefones inteligentes, temos dicionários visuais sobre esteróides.

2. Use Smart Phones para a tradução, mas apenas em um momento específico.

Eu tento incentivar os alunos a ler usando três fases. 1) Leia por essência – sem parar! 2) Leia para o contexto – Como podem as palavras em torno palavras desconhecidas ajudar com o entendimento? 3) Leia de precisão – explorar novo vocabulário usando um telefone inteligente ou dicionário. Apenas na terceira fase que eu permitir que o uso do telefone inteligente. Os alunos estão satisfeitos, porque eles podem procurar palavras. No entanto, eles estão desenvolvendo boas habilidades de leitura por não imediatamente traduzir cada palavra que eles não entendem.

3. Use Smart Phones para atividades comunicativas usando apps.

Todos nós comunicamos com nossos telefones inteligentes de maneiras diferentes, dependendo de diferentes aplicativos. Em outras palavras, mensagens de texto com um aplicativo de mensagens é obrigado a ser diferente do que escrever um e-mail no seu computador. Aproveite esta e promover atividades que são específicas para um determinado contexto. Um exemplo poderia ser a de que os alunos de texto uns aos outros para completar uma determinada tarefa.

4Use Smart Phones para ajudar com pronúncia.

Este é um dos meus usos favoritos de telefones inteligentes em sala de aula. Pronúncia modelo para eles. Por exemplo, o foco em sugestões. Peça aos alunos para abrir um aplicativo de gravação. Leia cinco maneiras diferentes de fazer uma sugestão em voz alta. Pausa entre cada sugestão. Peça aos alunos que ir para casa e praticar imitando a sua pronúncia na pausa entre cada sugestão. Há muitas, muitas variações sobre o tema.

Outra grande utilidade para pronúncia é ter estudantes alterar o idioma para Inglês e tentar ditar um e-mail. Eles vão ter que trabalhar muito duro ao nível da palavra pronúncia, a fim de obter os resultados desejados.

5Use Smart Phones em vez de um dicionário de sinônimos.

Peça aos alunos pesquisar na frase “palavras como …” e uma série de ofertas on-line aparecerá. Encoraje os alunos a usar seus telefones inteligentes durante a escrita de classe desta maneira enquanto se concentra no desenvolvimento de uma ampla gama de vocabulário. Por exemplo, pegue uma frase simples como “O povo falou sobre política.” Peça aos alunos para chegar a um número de versões que usam seus telefones inteligentes para encontrar substitutos para o verbo “falar”.

6UseSmart Phones para jogar.

Sim, sim, eu sei. Isso é algo que não deve encorajar na aula. No entanto, você pode incentivar os alunos a escrever frases que experimentam durante os jogos para trazer para a aula para discutir com mais detalhes. Há também uma série de jogos de palavras, como Scrabble ou da busca da palavra quebra-cabeças que são realmente instrutivo, bem como divertido. Você pode abrir espaço para isso na sua classe como uma “recompensa” para completar uma tarefa, apenas certifique-se para amarrá-lo a algum tipo de relatório para a classe.

7. Incentivar os alunos a usar Smart Phones para manter o controle de vocabulário.

Há uma grande variedade de aplicativos disponíveis MindMapping, bem como uma infinidade de aplicações de cartões flash. Você pode até mesmo criar seus próprios cartões de memória flash e peça aos alunos fazer o download do conjunto de cartas para a prática em sala de aula.

8Use Smart Phones para escrever prática.

Peça aos alunos que escrever e-mails uns para os outros, a fim de completar uma tarefa específica. Mude as tarefas para praticar diferentes tipos de registo. Por exemplo, um aluno pode escrever um inquérito produto com outro aluno responder ao inquérito com um e-mail follow-up. Isso não é novidade. No entanto, apenas usando seus telefones inteligentes podem ajudar a motivar os alunos para completar a tarefa.

9. Use Smart Phones para criar uma narração.

Esta é uma variação sobre a escrita de e-mails. Peça aos alunos escolher as fotos que tomaram e escrever um conto descrevendo as fotos que eles escolheram. Acho que fazendo em pessoal desta forma, os alunos se envolver mais profundamente com a tarefa.

10. Use Smart Phones para manter um diário.

Mais um exercício de escrita para o telefone inteligente. Peça aos alunos manter um diário e compartilhá-lo com a classe. Os alunos podem tirar fotos, escrever descrições em Inglês, bem como descrever o seu dia.

Fonte: http://esl.about.com/od/modernteachingtechniques/fl/Using-a-Smart-Phone-to-Teach-English.htm?nl=1